• Sáb 13 Maio 2017
  • 21h30
  • Coliseu do Porto — Porto

    YOANN BOURGEOIS

    FRANÇA

    CELUI QUI TOMBE

    ESTREIA NACIONAL • Coliseu do Porto — Porto
    Yoann Bourgeois

    Seis artistas desafiam as leis da gravidade, tentam manter o equilíbrio numa plataforma imponente, suspensa, que se inclina, roda balança e se eleva. Não controlam o que lhes acontece. A única forma de resistir é através de movimentos ágeis. Perante tal instabilidade, corpos sobem, trepam, penduram-se e caem, juntos e separados, nesta perigosa dança de sobrevivência.

    Yoann Bourgeoisé acrobata, ator, malabarista e bailarino. Cresceu numa pequena aldeia em Jura (França), tendo descoberto os jogos de vertigem e o novo circo com o Cirque Plume, fundamental para a sua formação no Centre National des Arts du Cirque de Châlons-en-Champagne, alternando com o Centre National de Danse Contemporaine d'Angers. Os seus espetáculos misturam as técnicas de circo com os movimentos da dança contemporânea, sendo um dos criadores mais reconhecidos da atualidade.



    Com o apoio de

    Conceção e Direção Yoann Bourgeois Assistido por Marie Fonte Interpretação Mathieu Bleton, Julien Cramillet, Marie Fonte, Dimitri Jourde / Jean-Baptiste André, Elise Legros, Vania Vaneau / Francesca Ziviani Desenho de luz Adèle Grèpinet Desenho de Som Antoine Garry Figurinos Ginette Direção Técnica David Hanse Luz Julien Louisgrand / Magali Larché Som Benoit Marchand Direção de Cena Alexis Rostain Produção Executiva CCN2-Centre chorégraphique national de Grenoble - com direção de Yoann Bourgeois and Rachid Ouramdane Coprodução Compagnie Yoann Bourgeois - MC2: Grenoble - Biennale de la danse de Lyon - Théâtre de la Ville, Paris - Maison de la Culture de Bourges - L'hippodrome, Scène Nationale de Douai - Le Manège de Reims, Scène Nationale - Le Parvis, Scène Natonale de Tarbes Pyrénées - Théâtre du Vellein - La brèche, Pôle national des arts du cirque de Basse - Normandie / Cherbourg - Octeville et Théâtre National de Bretagne - Rennes Yoann Bourgeois é apoiado pela Foundation BNP Paribas • M/6